(A)guarda chuva

Às vezes, dirigimos nosso olhar a alguma coisa, mas na verdade estamos olhando para o nada, ou olhamos para o nada, mas no fundo estamos olhando para alguma coisa específica na lembrança. Às vezes falamos querendo dizer algo e acabamos dizendo o contrário, ou dizemos precisamente o que queremos dizer, mas não somos compreendidos, entre outras tantas variantes.

O fato é que sempre estamos a costurar, com a cabeça e o coração, linhas invisíveis de sensações e, caso pudéssemos enxergar essas linhas de pensamentos, lembranças e sentimentos, veríamos uma gigantesca malha na qual estamos presos, imobilizados, amarrados como marionetes, como autômatos que se creem autônomos.

Essa malha é infinitamente maior do que podemos imaginar, pois não somos apenas nós os vivos a ajudar a construí-la, mas principalmente os que já foram e deixaram suas impressões registradas no mundo, são experiências passadas que se transformaram em histórias, tradições, hábitos e costumes que comandam nossas vidas até hoje, saibamos ou não.

O poder do hábito somado à nossa necessidade doentia de conforto nos afasta do pensar, pois é mais cômodo acreditar e repetir, também nos afasta do conhecimento, pois é mais cômodo negá-lo e nos agarrar a tradição. Por isso, emitimos opiniões alheias achando que são nossas e lutamos por causas que na verdade são do inimigo.

Essa trama, que já encontramos ao nascer, impede-nos de ver a realidade como ela é e nos induz a ver o mundo como se ele fosse as pobres idéias que temos dele, como se a água evaporada dos oceanos fosse confundida com o próprio oceano, como se nuvens pudessem encobrir o céu azul e tapar a luz do sol. Assim vamos caminhando à sombra dessas nuvens de tradições, hábito e costumes que tememos desabar sobre nossas cabeças a qualquer momento.

Talvez esteja vendo coisas demais, mas como saber se antes estava a ver de menos? Talvez os que arrancam a roupa e correm descalços para a chuva sejam loucos, mas como saber se loucura não é apertar o nó da gravata ou equilibrar-se em saltos e abrir um guarda-chuva?

* Escrito por Mikeas Macuxi

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s